Colônia Z-10

Ilha do Governador/RJ - Residência Artística e Laboratório Aberto de Artes

         Às margens do Rio Jequiá, num encontro entre o mangue do Jequiá e a Baía de Guanabara, está localizada a primeira colônia de pescadores  com registro no Brasil, Colônia Z-10,   fundada em 17 de novembro de 1920.  Hoje, a colônia conta com cerca de 5 mil moradores, dos quais poucos continuam trabalhando na pesca. A poluição da Baía de Guanabara,  e dos rios que desaguam em suas águas, torna a cada dia mais difícil a continuidade da atividade pesqueira para esta comunidade.

Mas, a colônia resiste!

         E, num ato de resiliência, jovens pescadores, jovens moradores, crianças e moradores de diferentes idades se somaram às nossas ações. Entre os dias 02 e 06 de outubro de 2019, durante as atividades da residência artística| Territórios Sensíveis tivemos como colaboradores os jovens pescadores Tiago Caiçara e Luiz Antônio Franco ( Pãozinho), Gabrielly Travasso, Giovani Armane e João Victor Abreu. Contamos ainda com o apoio de toda a colônia, sobretudo, dos pescadores mais antigos ainda na ativa Sr. Geraldo e Sr. Pedro.

         Foram dias de troca de conhecimento, aprendizados e discussões sobre o que é viver na ruínas do Antropoceno.

Dias de muita resiliência, imaginação e criação!

 

EN

On the banks of the Jequiá River, at a meeting between Jequiá Mangrove and Guanabara Bay, is located the first registered fishing colony in Brazil, Colony Z-10, founded on November 17th, 1920. Today, the colony has about 5,000 residents, few of whom still working in fishing. The pollution of Guanabara Bay, and the rivers that flow into its waters, make it increasingly difficult to continue fishing for this community.

But the colony resists!

And, in an act of resilience, young fishermen, young residents, children and residents of different ages added to our actions.

From October 2nd to 6th, 2019, during the activities of the artistic residency | Sensitive Territories  we had as collaborators the young fishermen Tiago Caiçara and Luiz Antônio Franco (Pãozinho), Gabrielly Travasso, Giovani Armane and João Victor Abreu. We also have the support of the entire colony, especially the oldest fishermen still active Mr. Geraldo and Mr. Pedro.

These were days of knowledge exchange, learning and discussions about what is the live in the ruins of the Anthropocene.

Days of resilience, imagination and creation!

O que podemos aprender com o Mangue para (sobre) Viver no|ao Antropoceno?

Walmeri Ribeiro

Fluidez: um sopro de vida diante das veias abertas do Antropoceno

Fluidity: a breath of life in front of the open veins of Anthropocene

         Esta pergunta-título permeou todos as ações e performances que propus durante os dias de residência artística. Sozinha. Acompanhada por um grupo de 6 crianças, entre 6 e 10 anos. Acompanhada pelo grupo de artistas e colaboradores do projeto. Acompanhada pelos moradores que vivem às margens dos Mangue do Jequiá, e que ali deságuam os esgotos de sua casa. Aliás, todo o esgoto da colônia ali é descartado, em meio ao mangue que resiste, persiste, filtra e abriga caranguejos, pássaros, peixes, lixo, os moradores e visitantes.

Sons. odores. movimentos.

instabilidade_estabilidade. força_leveza. fluxo_fixidez. 

 

EN

What can we learn with  the Mangrove to survive in the Anthropocene?

This title-question have been permeated all the actions and performances that  I proposed during the days of artistic residency. Alone. Accompanied by a group of 6 children, between 6 and 10 years old. Accompanied by the group of artists and project collaborators. Accompanied by the residents who live on the banks of the Mangroves of Jequiá, and who drain the sewers from her house. In fact, all the colony sewage there is discarded there, in the mangrove of Jequiá. But, the mangrove resists, persists, filters the water and houses crabs, birds, fish, garbage, residents and visitors.

Sounds. odors. movements.

instability_stability. force_lightness. fix_flow.

O Duto...

Ruy Cesar Campos

         No encontro do mangue do Rio Jequiá com a Baia de Guanabara se abriga a primeira colônia de pescadores registrada no Brasil,  há 100 anos. Hoje são poucos os pescadores que não desistiram de jogar a tarrafa para acabar pescando apenas lixo. Com jovens pescadores como colaboradores, coletou-se testemunhos de dois dos mais velhos sobre suas memórias envolvendo a Baia de Guanabara e a poluição.

         O material audiovisual resultante é exibido em um duto que veio boiando pela Baía, quebrando barcos até ser encostado no mangue pelos pescadores. Desde maio de 2019 participo do projeto Territórios Sensíveis, coordenado por Walmeri Ribeiro com o apoio do Prince Claus Fund e Goethe Institut.

         O projeto tem como foco a questão do lixo flutuante na Baia de Guanabara e os afetos envolvendo o Antropoceno com tal tema. No começo de outubro, um laboratório de 5 dias foi realizado na Colônia Z10 - Ilha do Governador, onde conseguimos produzir um protótipo/rascunho do vídeoduto e o exibimos no galpão dos pescadores.

 

EN

Where the Jequiá River meets the Guanabara Bay, one can find the first fishermen colony registered in Brazil, exactly a 100 years ago. Nowadays only a few didn't gave up throwing their nets to usually fish mainly debris. Collaborating with young fishermen, testimonies of two elders were registered, activating their memories relating Guanabara Bay and environmental pollution.

The audiovisual material resulting is exhibited in a duct that came floating through the bay into the community, breaking people's boats until it was took out of the water and dropped to the mangrove.

Since May 2019, I participate in Sensive Territories art-research residency, coordinated by Wameri Ribeiro and funded by Prince Claus Fund e Goethe Institut.

The project focuses on the matter of floating debris in Guanabara Bay and its affects through a critical Anthropocence approach. In October 2019, a 5 days laboratory happened in Z10 Colony - Governor Island - Rio de Janeiro, where we produced the prototype of the Videoduct and exhibited in the fishersmen community center.

Marcela Cavallini e Sofia Mussolin

         A ação "Feiticeira" é feita em parceria entre as artistas Marcela Cavallini, Sofia Mussolin e moradores da Colônia Z10 da Ilha do Governador - RJ, iniciada com a convivência na residência artística do projeto Territórios Sensíveis. A proposta de habitar e aprender com o ambiente, investigar onde e como se processa a vida de seus moradores, nos trouxe duas maneiras de tateamento: em oficinas corporais ministradas por Marcela, e em caminhadas de registro audiovisual feitas por Sofia, acompanhada de Thiago. O momento relacional através da oficina corpo-ambiente (aberta ao público) e da escuta andarilha da experiência de ser pescador naquele território, foram guiados pela imagem e materialidade do se "fazer em rede". A  Z-10 traz inúmeras coexistências, de um ambiente que proporciona, ao mesmo tempo, fonte de alimento e sustento e crescente poluição do mangue e das águas da Baía de Guanabara.

         Ativamos os corpos de diferentes maneiras afim de denunciar o estado de urgência em que estamos existindo. Inspiradas nas palavras de Sr. Geraldo "aqueles peixes nobres, como Robalo e Linguado, que possuem casa própria e vivem no fundo do mangue", coletamos redes, trançamos garrafas recolhidas na comunidade e corporificamos esse signo da Z10.

         Através da imagem de uma serpente mítica e fruto dessa paisagem real, o nome Feiticeira veio tanto por se relacionar com um tipo de rede usada pelos pescadores da região (feita de 3 enredados, que tudo leva), quanto pelo poder místico feminino que suscita, e por fim, para invocar o imagético como possível forma de alertar a realidade.
 Surgimos de barco, em meio ao mangue, junto a outros moradores. Todos enredados pela rede-escama, e, em seguida, saímos em caminhada-performance pela colônia entoando palavras de alerta à situação do mangue.

EN

The action "Feiticeira" is made in partnership between the artists Marcela Cavallini, Sofia Mussolin and residents of Colony Z10, Ilha do Governador - RJ, started with living in the artistic residency project Sensitive Territories. The proposal to live and learn from the environment, to investigate where and how the life of its residents is processed, brought us two ways of groping: in bodily workshops given by Marcela, and in audiovisual record walks by Sofia, accompanied by Thiago. The relational moment through the body-environment workshop (open to the public) and the wanderer listening to the experience of being a fisherman in that territory, were guided by the image and materiality of "networking". The Z-10 brings numerous coexistences from an environment that provides both a source of food and livelihood and growing pollution of the mangrove and Guanabara Bay waters.
We activate bodies in different ways to denounce the state of urgency in which we are existing. Inspired by Mr. Geraldo's words "those noble fish, such as Seabass and Flounder, who own their own homes and live deep in the mangrove swamps," we collect nets, braid bottles collected from the community, and embody this Z10 sign.
Through the image of a mythical serpent and fruit of this royal landscape, the name Witch came as much for being related to a type of net used by the fishermen of the region (made up of 3 entanglements), as well as for the feminine mystical power that arouses, and finally, to invoke the imagetic as a possible way to alert reality.
 We emerged by boat, amid the mangrove, along with other residents. All entangled in the scale-net, and then we set off on a performance walk through the colony chanting warning words to the mangrove situation.

Memórias Ativistas

Alessandro Paiva

 

         Me recordo de quando criança aprendendo a escrever e do quanto o movimento de desenhar as primeiras letras e palavras foram importantes para meu aprendizado, tanto que até hoje ainda escrevo as coisas para lembrar, estudo e também “crio” escrevendo, aliás esse movimento vem antes mesmo da escrita, quando ainda pequenos nós aprendemos a desenhar e ali encontramos as infinitas possibilidades da comunicação  - é nessa mecânica do desenho, do movimento corporal e a subjetividade criada a partir dessa relação, somado às respostas cognitivas geradas a partir do fazer, que me interessam os processos das artes gráficas.

         A mecânica do fazer da escrita está diretamente associada à produção de memória, afinal “é fazendo que se aprende” ou “escreve que você lembra”, conhecidos jargões utilizados por nossas mães na infância e que já anunciavam, desde cedo, a importância destas trocas. Partindo dessa lógica, qual seria a relevância de propor uma Oficina Gráfica de Design Ativista para uma comunidade de pescadores? E como abordar assuntos tão cotidianos, que comumente são negligenciados, tal qual a maneira como as questões ambientes são comumente tratadas hoje em dia?! Era justamente do movimento, da mecânica e da corporeidade criada nos processos gráficos da escrita que se encontram as respostas para essas perguntas e o local de fala dessa ação: constituir memórias... Durante três dos cinco dias de imersão na Colônia Z-10, me reuni com jovens moradores de forma que a proposta da oficina foi apenas o meio de uma troca relacional entre eles que viviam diariamente aquele território (sentindo diretamente as questões daquele lugar) e meu corpo ‘estranho’ e observador.

         Mas afinal o que é um Design Ativista? Trocando por miúdos é apenas uma maneira “bonita” de direcionar mensagens que carregam boas verdades, chamadas e dizeres pertinentes a questões a serem trabalhadas de maneira engajada, assim, ao longo da semana buscamos sustentar uma reflexão do próprio cotidiano da colônia para com o descarte inadequado do lixo no Mangue, e, através dessa abordagem “ativista” da questão, construímos uma espécie de gráfica humana, trabalhando juntos a elaboração dos cartazes e fazendo tudo de forma bem mecânica: corta a letra, encaixa, passa a tinta e coloca pra secar.

Aos poucos, fui despertando os corpos adormecidos desses moradores e através do movimento, fomos edificando memórias coletivas acerca do Mangue, tomando como foco os locais de uso comum da colônia: o rancho de trabalho da pesca, a sede da colônia e os locais de lazer - todos conectados pelo lixo!

         O final da nossa ação foi uma retomada micropolítica do Mangue e uma chamada de atenção para o impacto do nosso comportamento no meio ambiente, como nosso cotidiano é  diretamente afetado pela dinâmica de nossas atividades junto a degradação e mau uso dos recursos do planeta; resultando em painéis que foram afixados naqueles pontos comuns e que servirão para ali em diante, como uma frente engajada e perpétua dos Lambe-Lambe[1], que numa última reflexão, uma vez colados apenas a ação do tempo poderia os retirar, elaborando um paradoxo temporal, acerca de nossas próprias ações diante as suas implicações no mundo.

EN

I remember being a child and learning to write and how important the movement of drawing the first letters and words was for my learning. This importance was so intense that I still write things to remember, study and "create" different writings, in fact, this movement of drawing comes even before writing. When we are still young we learn how to draw and then we find the infinite possibilities of communication - it is in this mechanics of drawing, of body movement and in the subjectivity created from these relationships, together with the cognitive responses generated from the act of doing that I’m interest in graphic arts.

The mechanics of writing are directly associated with the production of memory, after all we “learn by making” or “write to remember”, familiar jargon used by our mothers in early childhood which announce the importance of these exchanges from an early age. From this logic, what would be the relevance to propose an Activist Graphic Design Workshop for a fishing community? And how can we talk about daily subjects, commonly neglected, as well as the environmental issues which are commonly mentioned today?! It was the movement, the mechanics and the corporeality created in the graphic processes of writing that we find the answers to these questions and the place of speech of this action: constituting memories... During three of the five-day immersion in Colony Z-10, I had the chance to meet with young residents so that the workshop's proposal was only the medium of a relational exchange between them who lived daily in that territory (feeling directly the issues of that place) and my “strange” and observant body.

But what is an Activist Design anyway? In a nutshell, is just a “beautiful” way of directing messages that carry truths, wordings and sayings pertinent to issues to be worked on in an engaging way, so throughout the week we seek to sustain a reflection of the colony's own daily life toward discarding inadequate garbage in the swamp. Through this “activist” approach to the issue we built a kind of human graphics, working together to make the posters and doing everything very mechanically: cut the letter, fit in, use the ink and let it dry.

Gradually, I awoke the sleeping bodies of these residents and through the movement we were building collective memories about the swamp, focusing on the places of common use of the colony: the fishing working ranch, the colony headquarters and the places of recreation - all connected by the trash!

The end of our action was a micropolitical resumption of the swamp and a call for attention to the impact of our behavior on the environment, as our daily lives are directly affected by the dynamics of our activities with the degradation and misuse of the planet's resources; resulting in panels that were exhibited and therefore will serve as an engaged and perpetual Lambe-Lambe[2] front, which in a last reflection, once glued together only the action of time could pull them out, forming a temporal paradox, about our own actions in view of their implications for the world.

1/6

Um Outro Lugar

Mari Moura

1/4

       A ação performática Outro Lugar, foi uma das ações realizada pela performer Mari Moura, como ministra dos Territórios Sensíveis. De seu gabinete em Brasília|DF, a Ministra via livestreaming no Instragram, com transmissão ao vivo, conversou com moradores, frequentadores e transeuntes da colônia sobre o que eles imaginam para a constituição de um outro lugar para viver. Com bloco de notas em mão, a Ministra, anotou as pistas deixadas para a constituição deste “Outro Lugar” a ser criado, assim como, utilizando a telemática, rompeu com fronteiras geográficas e sensíveis, ampliando a noção de território.

EN

The performative action “Another Place” was one of the actions realized by the performer Mari Moura as a Sensitive Territories’ Minister. The action occurred by Instagram live streaming, with the minister displacing into the streets of the Colônia Z-10, talking with the residents and passers-by about the personal desire to constitute another place to live. From her cabinet located in Brasilia|DF, in a live session by telematic, the Minister broke the geographics and sensitives frontiers, amplifying the notion of territory.